Existência de estudos científicos e prescrição são as principais dúvidas dos agentes de saúde sobre Cannabis

Total
0
Shares

Durante dois cursos ministrados em grandes hospitais da capital paulista, os profissionais da saúde que participaram relevaram que suas principais dúvidas em relação aos medicamentos derivamos da Cannabis são sobre a existência de evidências científicas e como prescrever as substâncias.

Em novembro de 2019, o Hospital Alemão Oswaldo Cruz promoveu o curso “Cannabis Medicinal”, com o objetivo de introduzir o tema na vida dos profissionais da saúde. De acordo com um dos organizadores, o urologista César Câmara, cerca de 80 pessoas se inscreveram para começar a entender o universo dos canabinoides.

“As dúvidas ainda são muito básicas. Os profissionais querem saber a diferença entre a cannabis medicinal e a de ‘rua’. Querem saber como funciona, se tem literatura médica e, principalmente, como prescrever”, conta o urologista. “Mas daqui há dez anos, essas dúvidas serão águas passadas.”

Outra iniciativa
Outro hospital que recebeu um curso semelhante foi o Hospital das Clínicas, em setembro de 2019. Promovido pelos professores do Centro de Acupuntura do IOT (Instituto de Traumatologia), da faculdade de medicina da USP (Universidade de São Paulo), o evento contou com 90 alunos, que levantaram questões sobre a Cannabis medicinal para tratar dores crônicas e outras patologias.

Segundo o coordenador do curso, Andre Tsai, ex-presidente do comitê de Dor, da Sbot (Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia), as principais dúvidas foram sobre as evidências científicas em várias áreas terapêuticas e como os pacientes podem ter acesso a estes medicamentos.

“A importância deste tipo de evento reside em aumentar o conhecimento sobre esta nova classe terapêutica e despertar a atenção dos alunos para que busquem mais informação científica. No final das aulas, vários alunos nos procuraram com ideias para desenvolver estudos clínicos no Brasil e já estamos desenvolvendo as propostas juntamente com eles”, afirma Tsai.

Além de Tsai, estão a frente da iniciativa de introduzir o tema da Cannabis para os alunos da USP, Wu Hsing, professor do Centro de Acupuntura do IOT-FMUSP e Wellington Briques, diretor global de Medical Affairs, Canopy Growth.

De acordo com coordenador, em breve, um novo curso na USP será desenvolvido para continuar a ampliar o conhecimento desta nova classe terapêutica.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You May Also Like

Cannabis medicinal no Brasil: veja o que muda com as novas regras da Anvisa

A regulamentação de produtos à base de maconha no Brasil foi aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) nesta terça-feira (3). Com a decisão, produtos feitos com cannabis para…
View Post