Notória pelo tráfico de cocaína, Colômbia adota a indústria de cannabis legal

Total
0
Shares

As empresas de cannabis estão correndo para estabelecer operações na Colômbia, procurando conquistar uma posição em um dos centros de drogas mais notórios da América Latina, à medida que governos em todo o mundo abraçam a crescente indústria legal da maconha.

Os produtores, muitos com apoio financeiro de empresas do Canadá e dos EUA, estimam que foram investidos US $ 500 milhões para comprar terras agrícolas, construir estufas e criar laboratórios para produzir óleos, cremes e outros produtos que contenham canabidiol, ou CBD, um extrato usado para tratar de tudo, de dor crônica a insônia.

Abraçar a indústria pode parecer surpreendente para um país que há muito se sente constrangido com seu status de maior produtor de cocaína do mundo e se esforça para escapar de sua reputação como um estado violento de narcotráfico que deu origem a Pablo Escobar.

Mas com o mercado global de cannabis estimado em mais de US$ 50 bilhões até 2025, a Colômbia procurou se tornar um centro de produção para exportações para países ao redor do mundo que legalizam seu uso. As leis domésticas permitem pequenas quantidades de maconha para consumo pessoal, mas o país não adotou regulamentos finais para uso médico.

“Quando você menciona a Colômbia, infelizmente, algumas pessoas relacionam esse nome com drogas ilegais. Temos aqui a oportunidade de tomar uma substância controlada e mudar essa reputação, de trazer saúde às pessoas e desenvolvimento ao nosso país”, disse Julian Wilches, ex-diretor de política de drogas do Ministério da Justiça que co-fundou a empresa de cannabis medicinal Clever Leaves, que começou a operar em 2016.

A Clever Leaves está produzindo cerca de 24 toneladas métricas de cannabis por ano, cultivadas em estufas em uma fazenda extensa escondida em um vale a cerca de 2.500 metros acima do nível do mar nos Andes. Com uma expansão já em andamento, a fazenda deve ser capaz de produzir cerca de 324 toneladas no próximo ano, tornando-a entre os maiores produtores do mundo.

Luz do sol equatorial

A Colômbia, em 2016, juntou-se a um pequeno grupo de países que permitem o cultivo de cannabis, levando centenas de empresas a solicitar licenças. A vantagem natural do país é sua posição perto do equador, que fornece cerca de 12 horas de luz solar o ano todo, tornando-o mais barato para os produtores do que em locais onde é necessária luz artificial.

Isso atraiu alguns dos maiores nomes do setor, com investimentos da Canopy Growth Corp. , de capital aberto, com sede no Canadá , PharmaCielo , Khiron Life Sciences , Aurora Cannabis Inc. e Aphria Inc.

“A indústria da cannabis nos últimos três meses enfrentou uma redução no investimento, mas o interesse na Colômbia ainda é muito promissor”, disse Juan Diego Alvarez, vice-presidente de assuntos regulatórios da Khiron, que planeja produzir cerca de 80 toneladas por ano de maconha em Tolima, uma área montanhosa nos Andes centrais. “A Colômbia em um futuro próximo se tornará um centro de desenvolvimento e pesquisa para a indústria.”

Exportações

O setor foi retido por um complicado sistema regulatório e de permissão. Enquanto centenas de empresas receberam licenças desde 2016, apenas algumas começaram a crescer. Atualmente, nenhuma da cannabis produzida é do tipo que produz níveis significativos de THC devido a procedimentos regulatórios mais onerosos para essas variedades.

Como a Colômbia ainda não finalizou as regulamentações para o mercado interno, os produtores estão se concentrando nas exportações.

O presidente Ivan Duque prometeu no mês passado cortar a burocracia e apoiar o setor. Prevê-se que a receita do setor na Colômbia suba para US $ 791 milhões em 2025, contra US $ 99 milhões em 2020, de acordo com um estudo preliminar do think tank Fedesarollo. Os pesquisadores estimam que o mercado de CBD somente nos EUA poderia valer quase US $ 23 bilhões até 2023.

Fonte: Bloomberg

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You May Also Like

Cannabis medicinal no Brasil: veja o que muda com as novas regras da Anvisa

A regulamentação de produtos à base de maconha no Brasil foi aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) nesta terça-feira (3). Com a decisão, produtos feitos com cannabis para…
View Post

Vem aí a ExpoCannabis 2019 em Montevidéu

Para quem nunca foi, vale conferir como funciona a festa Todo final de ano acontece, em Montevidéu, a ExpoCannabis! A feira reúne uma diversa gama de produtos, iniciativas, debates, publicações…
View Post