Novo estudo considera Cannabis eficaz no tratamento de enxaquecas

Total
0
Shares

Pesquisa publicada no mês passado no Journal of Pain encontrou uma redução significativa nos sintomas e recorrências de enxaqueca e dor de cabeça entre os pacientes que usaram Cannabis para tratamento. A maconha reduziu a gravidade e a duração dos episódios de enxaqueca em quase metade.

Os pesquisadores concluíram que a dor de cabeça e a gravidade da enxaqueca foram reduzidas em quase 50% após o uso de maconha.

O estudo, conduzido por pesquisadores da Universidade Estadual de Washington, analisou os efeitos do consumo de maconha ou concentrado de cannabis em enxaquecas e dores de cabeça entre 1.959 participantes adultos anônimos por 16 meses.

Os resultados foram extremamente encorajadores para pacientes que procuravam alívio. Eles também são surpreendentes – e oferecem uma amostra de quão incompleta a pesquisa médica atual sobre a Cannabis é.

Dor aliviada
Os dados do estudo indicaram que, após o uso de maconha medicinal, “episódios graves de dor de cabeça estão associados a maiores reduções”, o que significa que aqueles que sofrem mais dor obtiveram mais alívio. Isso é importante, pois os episódios mais graves podem ser quase impossíveis de tratar com medicamentos analgésicos comuns prescritos.

O novo estudo indica que a maconha pode realmente diminuir o risco, mesmo nos casos mais difíceis. O estudo também revelou alguns resultados surpreendentes.

Os autores descobriram que a eficácia da Cannabis não era dependente da variedade, da proporção de THC: CBD ou dosagem.

“Os resultados indicam que a maconha reduz a gravidade da enxaqueca, independentemente do tipo, dose, THC ou CBD”, escreveram. Isso pode indicar que outros fatores além da proporção e concentração de canabinóides estão em jogo.

Resultados “totalmente novos” sobre concentrados
Talvez ainda mais estranho: enquanto os pacientes que fumam Cannabis descobriram que precisavam de doses mais altas ao longo do tempo para obter os mesmos resultados, os pacientes que fumavam Cannabis concentrado descobriram que a dosagem eficaz necessária diminuiu com o tempo. O concentrado de Cannabis teve um efeito mais forte do que a flor.

Para explicar isso, os autores apontam para “evidências de que outros fitocanabinoides e terpenos presentes na flor da cannabis são reduzidos em alguns concentrados” e sugerem que a ausência desses compostos nos concentrados os impede de bloquear os efeitos dos canabinoides direcionados à enxaqueca de ingeridos suplementares.

Dados de usuários do aplicativo
A estrutura do estudo também é um fator que vale a pena considerar. Ainda é extremamente difícil obter permissão para realizar pesquisas clínicas sobre o uso de maconha nos Estados Unidos. Para este estudo, pesquisadores da Washington State University obtiveram dados anônimos de 1.959 pacientes canadenses de Cannabis medicinal que usaram o aplicativo Strainprint.

O Strainprint permite que os indivíduos acompanhem sua dosagem, consumo e efeitos pessoais de maconha contra os sintomas. A limitação do estudo a pacientes canadenses permitiu que os pesquisadores tivessem um maior grau de certeza em relação às cepas e potências de maconha, já que os produtores licenciados pela Health Canada mantêm um grau de controle de qualidade muito mais alto do que a maioria dos estados dos EUA.

Como os dados vieram do Strainprint, os pacientes já haviam se auto-selecionado para o uso medicinal de maconha. Não havia indivíduos de controle usando um placebo, e os pacientes que encontraram maconha não reduziram seus sintomas de enxaqueca podem ter saído do pool de dados interrompendo o uso de Cannabis, não inserindo dados no Strainprint ou optando por não baixar o aplicativo.

Como praticamente não existem pesquisas sobre os efeitos médicos dos concentrados de cannabis, os autores observam que suas descobertas são “inteiramente novas” e expressam a urgência de mais pesquisas nessa área.

Principais tópicos
Para resumir as conclusões do estudo:

Pacientes canadenses de Cannabis medicinal descobriram que a maconha diminuía a gravidade e o comprimento das enxaquecas e dores de cabeça.
O concentrado de cannabis fumado teve um efeito mais forte no alívio da enxaqueca do que as flores.
THC: relação CBD e tensão não parecem importar com relação à eficácia.
Para os pacientes que fumam flores, foram necessárias doses mais altas ao longo do tempo para manter o mesmo nível de alívio da dor.
Pacientes que fumavam concentrados precisavam de doses mais baixas ao longo do tempo para manter o mesmo nível de alívio da dor
Nenhum risco de overdose foi detectado.
Os dados do estudo sugeriram que os perfis de terpenos e canabinoides menos conhecidos desempenham um papel na prevenção e controle dos sintomas, e que a “discagem” desses compostos pode alcançar resultados médicos mais direcionados.
Estudos anteriores sobre enxaqueca e Cannabis
Os seres humanos usam cannabis para aliviar a dor há milhares de anos, mas apenas recentemente os pesquisadores investigaram especificamente sua eficácia para enxaquecas. Pesquisas preliminares de 2004 confirmaram que o sistema endocanabinoide do corpo “tem inúmeras relações” com enxaquecas.

Um estudo com animais em 2014 ofereceu apoio adicional ao potencial terapêutico de suplementar o sistema endocanabinoide com maconha para tratar enxaquecas.

Verificou-se que pacientes que sofrem de enxaqueca apresentam deficiências em anandamida, um endocanabinoide primário (isto é, canabinoides produzidos pelo corpo humano) que serve, entre outras funções, para bloquear os gatilhos que causam enxaquecas. Pesquisadores que trabalham com ratos descobriram que suplementar as deficiências de anandamida dos animais com canabinoides reduzia os sintomas da enxaqueca.

Os pesquisadores também observaram que a maconha é um conhecido neuro-relaxante, vasodilatador (uma substância que amplia os vasos sanguíneos) e agente anti-inflamatório. Essas habilidades, juntas, abordam os aspectos mais críticos, tanto do início quanto dos sintomas da enxaqueca.

Embora o novo estudo do Journal of Pain tenha sido limitado à Cannabis fumada e ao concentrado, e faltou em alguns dos controles formais de um ambiente clínico, ele representa o maior e mais recente estudo do gênero até o momento. Suas descobertas são encorajadoras para o uso da Cannabis no tratamento de enxaquecas, bem como o potencial para terapias do sistema endocanabinoide em geral.

Mais notavelmente, apesar do tamanho e das limitações relativamente pequenos do novo estudo, ele apresenta algumas novas e fascinantes descobertas que imploram para serem exploradas.

Fonte: Leafly

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You May Also Like

Cannabis medicinal no Brasil: veja o que muda com as novas regras da Anvisa

A regulamentação de produtos à base de maconha no Brasil foi aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) nesta terça-feira (3). Com a decisão, produtos feitos com cannabis para…
View Post