Maconha contribui para menor taxa de desemprego no Canadá em décadas

Total
0
Shares

A taxa de desemprego no Canada não para de cair. Em novembro, chegou a 5,6%, ou seja 0,2 pontos a menos que em outubro e o melhor resultado desde 1976. Isso graças à chegada de novos empregos, gerados, principalmente, pela legalização da cannabis, segundo informou nesta sexta-feira (7) o Instituto Nacional de Estatística do país (Estatística Canada).

 

A economia canadense criou 94 mil empregos em novembro, impulsionada por um aumento de vagas de tempo integral, em setores como o de serviços profissionais científicos e técnicos, saúde e construção, detalhou Estatística Canada em um comunicado. Esse aumento mensal de vagas é o “maior desde 2012”, disse Royce Mendes, economista no banco CIBC (Canadian Imperial Bank of Commerce).

Legalizada desde o dia 17 de outubro deste ano, a maconha recreativa se tornou “uma fonte crescente” de trabalho, com 10.400 novas vagas criadas em novembro, uma alta de 266% em um ano, afirmou o instituto.

A maior parte dos empregos criados envolvem tarefas como a poda da planta. Os empregados do setor recebem, aliás, uma remuneração maior do que a média nacional, com um salário de $CAN 29,58 (R$ 86) por hora trabalhada, contra $CAN 27,03 (R$ 79) nos outros setores.

A iniciativa privada é a que gerou o maio número de vagas em novembro (+78.600), os empregos restantes tendo sido criados no setor público. A geração de empregos envolveu tanto mulheres quanto homens no principal grupo ativo (de 25 a 54 anos), mas também incluiu pessoas mais velhas.

O Estado de Quebec é o que mais se destacou, com 26 mil novas vagas em novembro, seguido por Alberta, Ontario e Colúmbia Britânica.

América do Sul

Na América do Sul, o Uruguai, que aprovou em 2013 uma inédita lei que permite o cultivo doméstico de até seis pés de maconha por residência, abrirá em fevereiro uma nova licitação para que cinco novas empresas comecem a produzir maconha com fins recreativos para ser vendida nas farmácias, informou o governo nesta quinta-feira (6).

A licitação, prevista para 11 de fevereiro, será para até cinco empresas que deverão produzir 2.000 kg de maconha por ano, em terrenos de três hectares que serão fornecidos pelo Estado uruguaio e contarão com segurança pelas autoridades, detalhou a Presidência.

A venda em farmácias está habilitada desde julho do ano passado. Mais de 31.000 pessoas se registraram para comprar. Além disso, existem ao menos 7.000 produtores e 110 clubes filiados, de acordo com os últimos números oficiais disponíveis.

O diretor do Instituto de Regulação e Controle da Cannabis (Ircca), Martín Rodríguez, destacou que as novas empresas se submeterão às mesmas “condições de venda, logística e sistema de pagamentos” das atuais: “duas toneladas por ano de produção e distribuição por companhia, 100% correspondente a folhas secas e embalagem nas condições estabelecidas” em pacotes herméticos.

Fonte: Reuters

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You May Also Like

Vem aí a ExpoCannabis 2019 em Montevidéu

Para quem nunca foi, vale conferir como funciona a festa Todo final de ano acontece, em Montevidéu, a ExpoCannabis! A feira reúne uma diversa gama de produtos, iniciativas, debates, publicações…
View Post

Recicladora de resíduos de maconha ganha concessão do Colorado para desenvolver produtos de cânhamo de reposição

Uma startup de resíduos de maconha foi selecionada para receber uma doação de US $ 250.000 do Colorado para encontrar usos do mercado de reposição para resíduos de cânhamo e maconha. 9Fiber,…
View Post