O Brasil olha para casa cresce para expandir o acesso à maconha medicinal, mas é suficiente?

Total
2
Shares

A Comissão de Assuntos Sociais do Senado aprovou nesta semana um projeto de lei que legalizaria o cultivo caseiro de maconha medicinal – uma medida que destaca a necessidade de um acesso melhor e mais acessível aos produtos de canábis medicinal no país sul-americano.

Somente pacientes, associações de pacientes ou parentes seriam autorizados a cultivar e produzir maconha medicinal se a medida se tornar lei.

Atualmente, a única maneira legal de acessar a maconha medicinal no Brasil é importar o produto individualmente, com aprovação caso a caso .

Como a importação de produtos é tão cara, o crescimento doméstico aumentaria o acesso a um grande número de pacientes que “hoje nem sonham em ter acesso à maconha legal importada”, disse Margarete Brito, coordenadora geral da APEPI, uma associação de pacientes de maconha medicinal. disse o Marijuana Business Daily .

“Isso significa que as empresas que procuram oportunidades comerciais tentando exportar para o mercado brasileiro devem ter em mente que o preço é uma questão crítica e que a grande maioria dos pacientes não pode comprar produtos importados com os preços atuais”, disse Brito.

Mas nem todos estão convencidos de que permitir o crescimento em casa resolverá o problema do acesso.

Marcelo De Vita Grecco, CEO e co-fundador do Centro de Excelência Canabinoide, uma plataforma que fornece educação sobre maconha medicinal no Brasil, disse ao MJBizDaily que ele apreciava o governo tentando encontrar uma solução, mas “os pacientes deveriam ter acesso a produtos padronizados e seguros”. e cultivar em casa é muito arriscado.

“É muito inconveniente, como querer fazer o seu próprio azeite. Imagine ter que espremer suas próprias azeitonas toda vez que quiser óleo fresco ”, disse ele.

Embora este seja um passo legislativo significativo, o projeto de lei agora se dirige ao Comitê de Constituição , Justiça e Cidadania do Senado (Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania).

Depois disso, será discutido no plenário do Senado e na Câmara dos Deputados.

A comissão observou que cerca de 2 milhões de brasileiros sofrem de epilepsia. Cerca de 600.000 dos casos são epilepsia refratária, e a maconha medicinal é sua única solução.

O projeto modificaria a Lei 11.343 de 2006 para permitir o crescimento da canábis medicinal em quantidades justificadas por prescrição médica, bem como a importação de sementes e plantas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You May Also Like