Ansiedade, maconha, TOC… As 7 notícias mais quentes da psiquiatria

Total
0
Shares

Entre os dias 9 e 12 de outubro, o Rio de Janeiro virou a capital brasileira da saúde mental. É que nessas datas acontece o Congresso Brasileiro de Psiquiatria (CBP). O evento reúne os principais nomes dessa especialidade no país e apresenta as tendências e debates sobre as doenças que atingem a mente, como depressão, ansiedade, transtorno obsessivo compulsivo e bipolaridade. SAÚDE esteve no evento e traz nessa reportagem alguns dos temas apresentados por lá. Confira abaixo:

1. Cirurgia bariátrica não mexe só com a barriga
Já virou consenso entre os médicos que mudanças alimentares e exercícios físicos não são suficientes para tratar os casos mais graves de obesidade. Quando o Índice de Massa Corporal (IMC) passa de 40, é preciso recorrer à cirurgia bariátrica, conjunto de técnicas que retira ou modifica algumas partes do sistema digestivo, principalmente o estômago e o intestino delgado. A operação também está indicada para quem tem o IMC entre 30 e 39,9 e apresenta fatores de risco, como diabetes e hipertensão. Atualmente, estima-se que o Brasil tenha 13 milhões de candidatos a esse tipo de procedimento.

O problema é que o bisturi sozinho não resolve nada: é preciso realizar todo um acompanhamento antes e depois da cirurgia. Isso é trabalho para uma equipe multidisciplinar, que envolve endocrinologista, nutricionista, educador físico, psicólogo e o psiquiatra.

A saúde da cabeça, aliás, é um dos pontos mais importantes por aqui. “Se o paciente apresenta um transtorno mental, é preciso estabilizá-lo antes de marcar o procedimento”, destacou durante a sua apresentação no CBP o médico Glauber Higa Kaio, da Universidade Federal de São Paulo.

Os quadros psiquiátricos, aliás, são comuns entre os candidatos à bariátrica: estudos mostram que indivíduos com obesidade grave (aquela que ultrapassa os 30 pontos do IMC) apresentam dois ou três vezes mais risco de sofrer com algumas dessas doenças, como ansiedade e compulsão alimentar. E, claro, não será uma cirurgia que vai dar conta do recado: é preciso avaliar esse paciente antes de partir para qualquer método.

Feita a redução do estômago ou a implantação de um balão gástrico, o acompanhamento com psicólogo e psiquiatra segue relevante e necessário. “A cirurgia bariátrica não é algo que se limita ao estômago. Há todo um sistema hormonal que se modifica e impacta diretamente a sensação de fome, o prazer à mesa e a noção de saciedade”, disse em palestra a médica Maria Francisca Mauro, da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Nesse turbilhão de mudanças, é óbvio que surgem emoções e comportamentos variados. Diversos levantamentos demonstram um aumento em “beliscadas” durante o dia, o surgimento de uma síndrome do comer noturno e até mesmo um vício por comida. Junto com esses efeitos colaterais, o risco de recaídas e ganhos súbitos de peso só cresce. Ainda bem que tudo isso pode ser minimizado com o auxílio constante de diversos profissionais da saúde.

Saúde Abril

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You May Also Like

Cannabis medicinal no Brasil: veja o que muda com as novas regras da Anvisa

A regulamentação de produtos à base de maconha no Brasil foi aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) nesta terça-feira (3). Com a decisão, produtos feitos com cannabis para…
View Post

Muito mais sustentável! Indústria da moda substitui algodão por fibra de “maconha” na produção têxtil

Depois de ser proibido por mais de 80 anos nos EUA, por possuir (baixas!) concentrações de THC, um dos princípios psicoativos da maconha, o cultivo de cânhamo está finalmente liberado…
View Post