Maconha virou negócio de banqueiro, diz Marcelo Tognozzi

Total
0
Shares

O governo brasileiro resiste. A ala mais conservadora da sociedade também. Mas já faz tempo que a maconha virou um negócio de banqueiros e grandes investidores internacionais como os bilionários George Soros e Sean Parker, um empresário de 40 anos com patrimônio de 2 bilhões de dólares.

Três dos maiores bancos espanhóis –BBVA, Bankinter e Caixa– já possuem grandes investimentos em empresas produtoras e processadoras de maconha, a chamada indústria da cannabis. Em fins de novembro de 2017, o BBVA comprou por 1 milhão de Euros 58 mil ações do grupo canadense Canopy Growth, maior produtor de cannabis do mundo.

No fim do ano passado a empresa multiplicou por 3 seu valor em bolsa. Na mesma época, a Aurora Cannabis comprou por 1 bilhão de dólares a concorrente Canimed Therapeutics. Banqueiros sentem de longe o cheiro dos lucros. Em 2010 Soros escreveu um artigo para o Wall Street Journal (“Porque eu apoio a legalização da maconha”), no qual elogiou o ex-presidente Fernando Henrique, entre outros líderes, como um dos apoiadores da legalização. O bilionário tem feito lobby para a legalização do plantio para uso medicinal e recreativo no Brasil e em outros países tanto da Europa como da América Latina. Usa para isso sua ONG, a Open Society, ou outras sob sua influência como a Viva Rio.

Lobistas de companhias americanas e canadenses já atuam por aqui de forma superprofissional. No Colorado, o advogado Vincent Sederberg possui um dos maiores escritórios de lobby com clientes como associações de produtores e indústrias. Dá consultoria e busca sócios. Na Europa ele já atua na Espanha, em parceria com Bernardo Soriano, dono de uma banca que atua a favor da legalização da maconha para uso recreativo na Espanha.

A indústria de cannabis nos Estados Unidos e Canadá já emprega cerca de 200 mil pessoas e fatura anualmente cerca de 20 bilhões de dólares. Deve chegar aos 200 bilhões em 2026 de acordo com estimativas do Banco de Montreal.

Estes números comprovam que a maconha já é um setor do agronegócio reconhecido mundialmente e com ações cotadas nas principais bolsas de valores. O uso recreativo não é o principal negócio. O que dá dinheiro de verdade são os remédios, óleos, bebidas, alimentos e até cosméticos que utilizam canabidiol, o princípio ativo da maconha.

Esta é uma discussão que incomoda os conservadores, igrejas e órgãos de segurança, mas é preciso encarar o assunto de frente. Condenada por décadas e décadas como uma droga distribuída pelo crime organizado, pelas bocas de fumo das favelas, a maconha ganhou up grade social e econômico, transformada em xodó de banqueiros e bilionários. Ben Klover, um dos herdeiros da destilaria que produz o bourbon Jim Bean, um dos mais famosos do mundo, já anunciou o lançamento de um produto “batizado” com cannabis. Imagine o efeito disso.

Os americanos podem ser muito conservadores para certos costumes, mas são para lá de avançadinhos quando o assunto é dinheiro. Já entenderam –certamente pesquisaram a exaustão hábitos, necessidades e gostos dos consumidores do atacado e varejo– o tamanho do negócio e vão atropelar.

Um sintoma do que vem por aí em termos de pressão e lobby pela aprovação do plantio de maconha para uso medicinal no Brasil é a cotação de algumas empresas do ramo na Bolsa de Chicago. No fechamento da última sexta-feira, uma ação da Arena Farma valia 47 dólares. O papel da Innovative Industrial bateu 77,8 dólares e o da GW Pharma 114,50 dólares.

O governo precisa de uma boa estratégia para negociar com maior vantagem possível a entrada do Brasil num mercado que crescerá cada vez mais. Negar que a questão econômica tende a prevalecer sobre os costumes, especialmente quando se trata de produção de medicamentos, não é a melhor política.

Fonte: Poder 360

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You May Also Like

Cannabis medicinal no Brasil: veja o que muda com as novas regras da Anvisa

A regulamentação de produtos à base de maconha no Brasil foi aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) nesta terça-feira (3). Com a decisão, produtos feitos com cannabis para…
View Post

Vem aí a ExpoCannabis 2019 em Montevidéu

Para quem nunca foi, vale conferir como funciona a festa Todo final de ano acontece, em Montevidéu, a ExpoCannabis! A feira reúne uma diversa gama de produtos, iniciativas, debates, publicações…
View Post

Escopo futuro do mercado global de cannabis 2024 pelos principais participantes: Maricann Group, Inc., Canopy Growth Corporation, Aphria, Inc. e outros

Mercado Global de Cannabis: Visão Geral Os negócios de cannabis estão rapidamente ganhando força nos últimos anos, devido à legalização da cannabis para uso medicinal por vários governos em todo…
View Post

No Brasil, empreendimentos milionários aguardam sinal verde do governo para entrar no mercado da maconha medicinal

Na última semana, em uma audiência pública na Câmara dos Deputados sobre a regulamentação do plantio de maconha medicinal no país, o ex-deputado federal Givaldo Carimbão disse conhecer o caso…
View Post