Faça como Israel, Bolsonaro: apoie a maconha medicinal

Total
0
Shares

Uri Ariel, ministro israelense da Agricultura, não é nenhum cara de esquerda – seu partido é o Lar Judaico, que fica a direita do primeiro-ministro Benjamin Netanyuahu. Por isso foi uma surpresa ouvi-lo contar entusiasmado que o Knesset, o parlamento de Israel, de aprovar a exportação de maconha medicinal.

“O Brasil com certeza poderia fazer a  mesma coiosa”, disse ele semana passada em conversa com um grupo de jornalistas brasileiros num moshav (cooperativa rural) nas Colinas de Golã, norte do país. “Não há motivo para proibir um remédio único para aliviar a dor de pessoas que estão sofrendo.”

Desde os anos de 1990, israelenses com esclerose múltipla, câncer e outras doenças podem utilizar maconha medicinal. O Exército (por lá, uma instituição bem mais à esquerda que no Brasil) estuda o uso do THC contra estresse pós-traumático. O uso recreativo não é totalmente legal; mesmo assim o país é o que mais fuma maconha no mundo. Segundo uma pesquisa do governo, 27% dos israelenses entre 18 e 65 anos afirmam consumir a erva. A República Tcheca, sem segundo lugar, vem bem abaixo, com 11%.

Apesar de todo esse consumo, a demanda se limitava à população do pais, de 8,7 milhões de habitantes. Mas, desde o ano passado, empresas têm ganhado autorizações para exportar a droga. Nas p´roximas semanas os parlamentares israelenses devem dar aprovação formal à atividade, aumentando ainda mais o potencial do mercado.

O apoio do governo tem criado uma febre de investimentos e startups relacionadas à planta. A empresa Leaf vende uma estufa, do tamanho de uma geladeira do estilo Apple, que ilumina, irriga, aduba automaticamente um pé de maconha. Já a GemmaCert analisa em trinta segundos a quantidade de THC e canabidiol de uma amostra.

O Brasil está bobeando por ainda não ter entrado nessa=e mercado. Por causa do frio durante o inverno, a maconha de Israel é plantada em estufas, o que não seria necessário por aqui. Enquanto todo o território israelense é menor que o de Sergipe, o menor estado brasileiro, o Brasil tem um enorme sertão com sol, calor e pouca água – quase todo o necessário para o cultivo de maconha.

Nordestinos conhecem muito bem esse potencial. Só em novembro, a Polícia Federal destruiu uma plantação com 125 mil pés de maconha no interior de Pernambuco – e operações como essa acontecem quase todo o mês. Veja que situação curiosa: a região mais pobre do Brasil quer se desenvolver, mas a lei impede.

É como dizia o político americano Harry Browne: “O governo quebra as suas pernas apenas para depois lhe dar uma muleta e dizer “veja, se não fosse pelo governo, você não seria capaz de andar”. Permitir o cultivo e a exportação de maconha medicinal daria uma chance aos sertanejos nordestinos de enriquecerem com o agronegócio e de andarem com as próprias pernas.

Bolsonaro prometeu mudar a embaixada brasileira para Jerusalém e que se aproximar de Israel na economia e por meio de parcerias tecnológicas. Bem que poderia se inspirar também na postura mais moderna dos israelenses em relação à maconha.

Fonte: Leandro Narloch | Folha de S. Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You May Also Like

Anvisa adia decisão sobre maconha medicinal

BRASÍLIA — A decisão da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) sobre a regulamentação da produção, plantio e transporte da maconha medicinal por parte de empresas farmacêuticas; e sobre o…
View Post

Fornecimento gratuito do medicamento a base de “maconha” é aprovado em Goiás

Um projeto de lei que libera a distribuição gratuita dos medicamentos que contenham em sua fórmula a substância canabidiol (CBD), composto da maconha , foi aprovado em segunda votação na Assembleia Legislativa…
View Post

Cannabis medicinal no Brasil: veja o que muda com as novas regras da Anvisa

A regulamentação de produtos à base de maconha no Brasil foi aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) nesta terça-feira (3). Com a decisão, produtos feitos com cannabis para…
View Post

Deputado propõe a liberação da venda e do consumo de maconha no Rio Grande do Sul

O deputado Rodrigo Maroni (Podemos) protocolou na Assembleia Legislativa gaúcha um projeto de lei que dispõe sobre o controle, plantio, produção e comercialização de maconha no Rio Grande do Sul.…
View Post

STJ reafirma que importação de sementes de maconha não é contrabando

A importação de pequena quantidade de sementes de maconha não pode ser considerada contrabando. Com esse entendimento, a 6ª Turma do Superior Tribunal de Justiça negou recurso do Ministério Público…
View Post