Comissão iniciará rodada de debates sobre o uso medicinal do canabidiol

Total
0
Shares

Comissão iniciará rodada de debates sobre o uso medicinal do canabidiol
Quatro requerimentos de autoria do deputado federal Eduardo Costa (PTB-PA) foram aprovados no colegiado

Compartilhe isso:
Clique para compartilhar no Twitter(abre em nova janela)Clique para compartilhar no Facebook(abre em nova janela)Clique para compartilhar no WhatsApp(abre em nova janela)Clique para compartilhar no Skype(abre em nova janela)Clique para imprimir(abre em nova janela)

Na primeira reunião da Comissão Especial da Câmara dos Deputados que analisa o Projeto de Lei 399/15, cujo objetivo é regulamentar o uso do canabidiol (CBD) para fins medicinais no País, foram aprovados os quatro requerimentos apresentados pelo deputado federal Eduardo Costa (PTB-PA), em sessão deliberativa na última semana, para a realização de audiências públicas com pesquisadores e especialistas que estudam a substância.

O projeto em análise pode permitir a comercialização no País de medicamentos que contenham extratos, substratos ou partes da planta Cannabis Sativa, popularmente chamada de maconha, ou substâncias canabinoides em sua formulação, e com aplicações nos mais variados ramos da saúde como: imunologia, metabologia, neurologia, oncologia e psiquiatria, dentre outras.

Segundo Eduardo Costa “esta é uma demanda de toda a sociedade, pois pode colaborar em muito no tratamento de várias doenças crônicas, reduzindo o sofrimento de pacientes e seus familiares”. A discussão do tema pode reduzir o preconceito em relação à polêmica planta, pois suas aplicações medicinais são em forma de óleo, que não traz riscos à saúde. Um comunicado publicado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) garante que o canabidiol não deve ser tratado como droga.

A comissão especial vai agendar as datas das audiências públicas e enviar os convites para a participação de vários especialistas no assunto. Serão convidados representantes governamentais e da sociedade civil, bem como pesquisadores do tema, dentre os quais a doutra Margarete Akemi Kishi, professora do curso de Farmácia na Universidade Presbiteriana Mackenzie e conselheira do Conselho Federal de Farmácia; o doutor Fabrício Alamo Pamplona, farmacêutico, neurocientista, editor do American Journal of Pharmacology and Toxicology e o doutr Renato Malcher Lopes, professor e pesquisador do Laboratório de Neurobiologia e Comportamento da Universidade Federal de Brasília (UnB), membro do International Centre for Science in Drug Policy (ICSDP) e autor do livro “Maconha, Cérebro e Saúde.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You May Also Like

Cannabis medicinal no Brasil: veja o que muda com as novas regras da Anvisa

A regulamentação de produtos à base de maconha no Brasil foi aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) nesta terça-feira (3). Com a decisão, produtos feitos com cannabis para…
View Post

Cannabis: aprovado regulamento para uso medicinal

A Diretoria Colegiada da Anvisa aprovou, nesta terça-feira (26/11), o novo regulamento para produtos derivados de cannabis. O texto elenca os requisitos necessários para a regularização deles no país, estabelecendo…
View Post