Que regras a maconha legalizada deve seguir?

Total
2
Shares

Acabar com a proibição da maconha é só o primeiro passo. Feito isso, é necessário pensar em um modelo de legalização. Estabelecer como será a atuação do Estado no mercado, as regras para o cultivo caseiro, a produção de medicamentos canábicos e os limites para ações publicitárias são alguns dos desafios da legislação sobre o tema.

Como o poder público deve atuar com a maconha legalizada? No Canadá, por exemplo, as normas mudam de acordo com cada província. Em Ontário, a venda é controlada pelo Estado, que vai adquirir e vender a erva cultivada por produtores licenciados. Existe o receio desta permissão contemplar apenas as grandes empresas, que cultivam maconha desde a época em que a legalização contemplava apenas o uso medicinal. Algumas como a Canopy Growth negociam ações no mercado financeiro.

Vale a regra do livre mercado e o processo de cultivo, distribuição e venda no varejo está sob controle da iniciativa privada.

O que costuma mudar entre os estados que legalizaram a maconha nos Estados Unidos é a política tributária. Em alguns locais, como o Colorado, existe uma determinação prévia de aplicar parte do imposto arrecadado com a maconha na reforma ou construção de escolas e nos programas atendimento a dependentes de drogas. Infelizmente isto não é uma regra geral.

O governo uruguaio apostou em uma tributação pequena na maconha vendida sob rígido controle estatal, em uma dezena de farmácias espalhadas pelo país. O objetivo da tributação reduzida é ter o preço da maconha legalizada com valor menor da erva que ainda é vendida ilegalmente.

Maconha livre de veneno

Uma questão que não pode fugir dos limites de ação do poder público é o controle de qualidade sobre a maconha que será vendida. Evitar que a cannabis siga o mesmo caminho do tabaco, misturado a uma infinidade substâncias tóxicas com objetivo de potencializar o vício, é fundamental neste processo.

 

No Brasil, caberia à Agência de Nacional de Vigilância Sanitária e os similares estaduais este controle de qualidade. Pode parecer bobagem, mas a cannabis adulterada para atender interesses econômicos pode gerar efeitos desastrosos para a saúde pública.

 

Neste contexto, ter uma legislação que contemple o cultivo caseiro é fundamental para evitar o oligopólio de uma maconha produzida em escala industrial, que eventualmente possa ser vendida com aditivos que prejudiquem a saúde do usuário. Na dúvida sobre a qualidade da erva disponibilizada nas lojas, o consumidor deve ter o direito de cultivar a cannabis em casa, adotando uma técnica sabidamente livre de impurezas.

Este direito de cultivar em casa também é fundamental para proteger quem busca os benefícios medicinais da maconha. Pacientes não podem ser reféns da indústria farmacêutica, que eventualmente pode impor um preço abusivo pelo remédio. É preciso ter em mente que ele pode ser produzido em um simples jardim no quintal de casa ou em uma estufa no canto do quarto.

O cavalo, um cowboy e um baseado?

O debate sobre a permissão para publicidade de maconha também é polêmico. Usar das técnicas de sedução de público para estimular o consumo de uma substância que causa dependência não parece uma medida correta. Acabar com a proibição é urgente, mas não parece um bom caminho repetir a estratégia dos fabricantes de bebidas e associar o uso de maconha a atividades esportivas.

No fundo, a luta pela legalização é um pedido de militantes para que se crie normas de controle sobre o cultivo e comercialização da maconha. Na legislação proibicionista vigente, a cannabis é vendida sem nenhum controle. O narcotráfico age sem regras para despistar a repressão e oferecer um produto de péssima qualidade aos consumidores: uma erva prensada, misturada com galhos e até restos de insetos.

No movimento antiproibicionista existem muitas divergências sobre o modelo de legalização que deve ser adotado no Brasil, principalmente no debate sobre os limites da atuação do poder público neste mercado. Mas todos concordam que a proibição é uma desgraça que alimenta um ciclo de violência que nada contribui para o bem viver de todos.

Fonte: Carta Capital

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You May Also Like

O ministro da Educação não sabe o que diz

Mais uma vez, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, investiu contra as instituições de ensino federais tentando envolver, na semana passada, os seus alunos em prática criminosa. Se a intenção…
View Post

STJ reafirma que importação de sementes de maconha não é contrabando

A importação de pequena quantidade de sementes de maconha não pode ser considerada contrabando. Com esse entendimento, a 6ª Turma do Superior Tribunal de Justiça negou recurso do Ministério Público…
View Post

Plano de saúde não pode negar medicamento à base de Canabidiol

Plano de saúde não pode negar medicamento à base de Canabidiol Quinta, 28 Novembro 2019 18:02Escrito ou enviado por Fernando ZeferinoAdicionar comentarioSEGS.com.br – Categoria: SegurosImprimir Cada vez mais, as pessoas…
View Post

Brasil está atrás de outros países na liberação da cannabis

Milhões de pessoas ao redor do planeta sofrem com doenças que podem ser tratadas ou aliviadas com o uso do canabidiol, uma das substâncias que compõem a cannabis. Para tratar…
View Post

O FUTURO DA CANNABIS MEDICINAL NO BRASIL É UMA INCÓGNITA. CONHEÇA AS EMPRESAS QUE RESOLVERAM “COMPRAR” ESSA BRIGA

O uso medicinal da cannabis é permitido no Brasil? Se um médico prescreve um medicamento à base da planta, o paciente tem direito de comprar e usar esse fármaco? Com…
View Post