45% dos deputados são a favor do plantio de Cannabis no Brasil

Total
0
Shares

Ao contrário da população em geral, o posicionamento dos deputados federais em relação ao plantio de maconha não é alterado quando o motivo para a liberação é o uso medicinal. De forma geral, os parlamentares estão divididos em relação ao tema. Cerca de metade é a favor da liberação do plantio de Cannabis, enquanto metade é contra.

O portal especializado em Direito JOTA realizou o mesmo experimento para medir o apoio à liberação do plantio de Cannabis com a população e com os parlamentares.

Na segunda-feira (06), o JOTA Labs mostrou que a liberação do plantio de maconha ganha um apoio muito maior entre a população brasileira quando está associada ao uso medicinal. Os dados fazem parte de um estudo experimental feito pelo portal nas suas mais recentes pesquisas em parceria com o Instituto Brasileiro de Pesquisa e Análise de Dados, que somente assinantes do JOTA Pro têm acesso.

O mesmo efeito não é encontrado entre os deputados. Metade dos parlamentares foi apresentada com um tipo de pergunta e metade com outro tipo – o sorteio dos deputados foi feito de forma aleatória.

Assim como na população, um grupo de deputados, o chamado grupo de controle, recebeu a seguinte pergunta: Você é a favor ou contra o plantio da maconha no país?

Já o segundo grupo, ou grupo de tratamento, foi apresentado à seguinte pergunta: Você é a favor ou contra o plantio da maconha no país para fins medicinais?

No grupo de controle, 45,9% se disseram a favor da liberação, 45,7% se disseram contra e 8,4% disseram não ser nem a favor nem contra.

Já no grupo de tratamento, 43% se disseram a favor, 48,3% se disseram contra e 8,7% se disseram nem a favor nem contra.

A comparação entre os dados da população em geral e dos deputados mostra que existe uma resistência maior entre os políticos para a liberação do plantio para fins medicinais.

É muito interessante notar como no grupo de controle, ou seja, naquele grupo em que o apoio à liberação do plantio independe do uso medicinal, os resultados são muito parecidos entre os brasileiros em geral e entre os deputados, em torno de 45%. O que o estudo experimental mostra é que os deputados são menos propensos a aceitar o argumento do uso medicinal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You May Also Like

As novas regras de cannabis medicinal do Brasil rejeitam o cultivo doméstico, potencialmente criando um grande mercado de importação

As autoridades sanitárias brasileiras rejeitaram o cultivo doméstico de maconha medicinal, mas concordaram em permitir a distribuição de produtos de cannabis medicinal que não concluíram os ensaios clínicos, potencialmente criando…
View Post

Diretor da Anvisa defende regulamentação da cannabis medicinal na Câmara dos Deputados

BRASÍLIA O diretor-presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária ( Anvisa ), William Dib, defendeu a regulamentação do uso da cannabis para fins medicinais em audiência pública da comissão especial…
View Post