Atletas e maconha: A conexão entre CBD e os novos patamares nos EUA

Total
0
Shares

Lesões podem mudar com a carreira de esportistas, mas a maconha se tornou um medicamento que a categoria está defendendo pelo alívio da dor.

Atletas de vários esportes profissionais se aposentaram cedo devido a complicações com o envelhecimento ou lesões prejudiciais.

Notavelmente, Rob Gronkowski , ex jogador da NFL New England Patriot, se aposentou cedo devido a uma série de lesões. Especificamente, Gronkowski sofreu ferimentos que atingiram suas costas, tornozelos e pernas.

Ao longo de sua carreira, Gronkowski passou por várias cirurgias, mas infelizmente se aposentou após nove temporadas no campeonato. Após sua aposentadoria, Gronkowski fez uma parceria com um varejista de CBD, CBDMedic, para criar uma linha de tratamentos tópicos para a dor usando o composto derivado da cannabis.

Ele decidiu fazer parceria com o CBDMedic depois que seu pai recomendou o creme tópico para uma lesão no dedo do pé. Em entrevista à CNBC Make It, Gronkowski disse estar surpreso que o tópico funcionou bem e suprimiu a dor.

Ele também disse que gostaria de poder usar produtos CBD enquanto estava na NFL. Na mente de Gronkowski, ele acredita que o CBD teria feito uma enorme diferença no tratamento da dor e afirma que isso poderia ajudar outros atletas a lidar com questões semelhantes.

No entanto, na época em que Gronkowksi sofreu várias lesões, o CBD ainda era uma substância controlada. Em 2018, a Agência Mundial Antidopagem (WADA) decidiu remover a designação do CBD como uma substância proibida para atletas após uma extensa pesquisa provar que o composto tem efeitos terapêuticos.

Atletas e maconha: elevando o mercado

Após a aprovação legal do CBD, vários atletas começaram a usá-lo para ajudá-los a relaxar antes de uma competição ou aliviar dores musculares depois. Como tal, muitos atletas também começaram a elogiar os efeitos terapêuticos do CBD, levando a multidões de consumidores curiosos.

Com o número de atletas em crescimento endossando o CBD, bem como a crescente base de consumidores, o mercado do CBD está posicionado para florescer no varejo convencional. De acordo com dados compilados pela QY Research, o mercado global de canabidiol deve aumentar de US $ 303 milhões em 2018 para US $ 2,28 bilhões em 2025, registrando um CAGR de 33,5%.

A Agência Antidopagem dos EUA (USADA) permite que os atletas usem CBD, sejam óleos, extratos ou outros produtos. No entanto, a agência alerta os atletas a serem cautelosos, porque é difícil obter produtos que sejam puramente CBD.

Além disso, a USADA observa que ainda existem dados muito limitados sobre os efeitos do CBD. No entanto, a agência destaca estudos iniciais que provaram que o CBD não causa dependência ou abuso. Além disso, um estudo publicado no Centro Nacional de Informações sobre Biotecnologia dos EUA indica que o CBD pode ser promissor para o tratamento da dor crônica.

Uma alternativa aos opióides

Floyd Landis, um ex-ciclista profissional, passou por uma cirurgia de substituição do quadril em 2006. Por anos depois, Landis contou com analgésicos à base de opióides aprovados pela WADA, que começaram seu vício.

Eventualmente, Landis voltou-se para o CBD para conter seu vício em opióides e também para usar um remédio mais natural. Embora o CBD seja elogiado principalmente por seus benefícios no gerenciamento da dor, os pesquisadores também destacaram que o CBD pode reduzir a inflamação, náusea, espasmos musculares e também estimular o apetite.

O CBD oferece uma solução multifuncional para atletas, o que pode permitir que eles reduzam o número de medicamentos que usam. Apesar dos efeitos positivos, muitos atletas ainda não o utilizam.

No entanto, como a pesquisa continua a minar os estereótipos e a solidificar estudos anteriores, espera-se que o CBD se torne um tratamento corretivo convencional para atletas e até mesmo consumidores regulares.

“A legalização está ganhando força em nível global e sinto que agora é a hora de divulgar informações sobre as capacidades de cura desta planta”, afirma o quarterback da NFL do Hall of Fame, Joe Montana

Fonte: Health Europa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You May Also Like

Cannabis medicinal no Brasil: veja o que muda com as novas regras da Anvisa

A regulamentação de produtos à base de maconha no Brasil foi aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) nesta terça-feira (3). Com a decisão, produtos feitos com cannabis para…
View Post