Blockchain para cannabis: como os aplicativos podem beneficiar o comércio

Total
0
Shares

Não há dúvidas de como a tecnologia está mudando a lógica mercadológica, além do bom impacto que pode causar na indústria da cannabis. A æternity , a próxima geração de blockchain de código aberto para construção de aplicativos, anunciou recentemente que está criando uma plataforma de gerenciamento de cadeia de suprimentos usando blockchain para o comércio de cannabis .

A empresa empreenderá a iniciativa ao lado da Uruguay Can , uma das principais empresas de produção de maconha da América do Sul.

Blockchain para cannabis
A implementação da empresa citada acima permite o registro e rastreamento de linhagens de maconha desde a semente até o produto final, combinando a tecnologia da IOT (Internet of Things) e blockchain para permitir a possibilidade de criar aplicativos descentralizados.

O CEO da æternity Americas, Pablo Coirolo, explicou que a tecnologia blockchain pode fornecer segurança e confiança sobre a qualidade da cannabis medicinal e recreativa:

“Queremos ser os primeiros a oferecer uma solução em nível de negócios em parceria com os principais fornecedores de tecnologia e produtores, processadores e distribuidores de cannabis.”

Em dezembro de 2013, o Uruguai se tornou o primeiro país do mundo a legalizar completamente a produção e a venda de maconha. Com uma população de apenas 3,4 milhões aninhada entre dois gigantes vizinhos, Brasil e Argentina (com populações de 208 e 43 milhões, respectivamente), o Uruguai tem sido um inovador em maconha recreativa e medicinal em toda a região.

A primeira fase da implementação entre Uruguay Can e æternity começará em outubro e deve ser concluída em janeiro de 2020, com a implementação completa planejada para meados do próximo ano.

Para o CEO do Uruguay Can, Eduardo Blasina, essa parceria com a æternity é um marco significativo para o setor.

“Temos orgulho de ser a primeira empresa no Uruguai que pode garantir a qualidade de nossos produtos de forma transparente e verificável”, disse Blasina.

“A capacidade de rastrear a fonte e a maneira como a cannabis é produzida é benéfica para a indústria de cannabis e farmacêutica, bem como para seus consumidores e usuários finais, que devem se sentir mais seguros sobre o produto que estão consumindo”, acrescentou Pablo Coirolo.

Fonte: Health Europa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You May Also Like

Cannabis medicinal no Brasil: veja o que muda com as novas regras da Anvisa

A regulamentação de produtos à base de maconha no Brasil foi aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) nesta terça-feira (3). Com a decisão, produtos feitos com cannabis para…
View Post

Vem aí a ExpoCannabis 2019 em Montevidéu

Para quem nunca foi, vale conferir como funciona a festa Todo final de ano acontece, em Montevidéu, a ExpoCannabis! A feira reúne uma diversa gama de produtos, iniciativas, debates, publicações…
View Post

Oferta da Cannabis medicinal pelo SUS será tema de audiência pública

Na próxima segunda-feira (25), das 9h30 às 13h, na sede da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo, será promovida uma audiência pública para debater a importância do Projeto de…
View Post

No Brasil, empreendimentos milionários aguardam sinal verde do governo para entrar no mercado da maconha medicinal

Na última semana, em uma audiência pública na Câmara dos Deputados sobre a regulamentação do plantio de maconha medicinal no país, o ex-deputado federal Givaldo Carimbão disse conhecer o caso…
View Post