E-commerce de cannabis se torna plataforma viável para o mercado

Total
0
Shares

Nas últimas décadas, o setor de varejo mudou drasticamente devido ao desenvolvimento e propagação do comércio eletrônico. Hoje, muitos consumidores tendem a preferir comprar produtos on-line, porque podem simplesmente navegar nas lojas em qualquer lugar na palma de suas mãos.

No entanto, a transição para um negócio digital não é tão simples quanto parece para certos setores. Especificamente, a indústria da cannabis enfrentou inúmeras barreiras legais que impediram sua expansão no mercado digital.

Por exemplo, por causa da preocupação com a legalidade da maconha, empresas de setores como finanças, marketing e publicidade se afastaram. No entanto, à medida que mais regiões continuam avançando em direção à legalização, várias indústrias se interessam em firmar acordos e parcerias com empresas de cannabis.

Comercialização

Em particular, os EUA aprovaram o Farm Bill em 2018, que legalizou os produtos CBD derivados do cânhamo. Inicialmente, muitas empresas notaram explicitamente que não participariam do setor de maconha por questões legais . No entanto, após a aprovação do projeto de lei agrícola, grandes empresas começaram a comercializar e divulgar produtos de CBD.

À medida que a indústria da cannabis continua a se expandir, espera-se que a tecnologia tenha um papel fundamental no desenvolvimento da indústria, abrindo caminho para o desenvolvimento do comércio eletrônico de cannabis. Embora os dispensários tradicionais ainda sejam populares em regiões legais, as plataformas digitais são projetadas para acelerar ainda mais as vendas em geral.

Segundo dados compilados pela Ameri Research, o mercado global de maconha legal foi avaliado em US $ 14,3 bilhões em 2016. Até 2024, projeta-se que as vendas globais de maconha legal atinjam US $ 63,5 bilhões enquanto exibem um CAGR de 21,1% a partir de 2017 até 2024.

Legalização

No futuro, os especialistas do setor acreditam que a maconha continuará sendo integrada ao varejo convencional à medida que as próximas vagas de legalização se instalarem. Por exemplo, a segunda legalização do Canadá, que deve ocorrer no final de 2019, concentra-se em comestíveis e bebidas.

Além disso, a terceira onda de legalização deve se concentrar principalmente em uma variedade de produtos, como xampus, loções e outros produtos para a pele. Em particular, espera-se que a terceira vaga seja fortemente integrada às operações de varejo tradicionais.

Fonte: Health Europa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You May Also Like

Recicladora de resíduos de maconha ganha concessão do Colorado para desenvolver produtos de cânhamo de reposição

Uma startup de resíduos de maconha foi selecionada para receber uma doação de US $ 250.000 do Colorado para encontrar usos do mercado de reposição para resíduos de cânhamo e maconha. 9Fiber,…
View Post

Cannabis medicinal no Brasil: veja o que muda com as novas regras da Anvisa

A regulamentação de produtos à base de maconha no Brasil foi aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) nesta terça-feira (3). Com a decisão, produtos feitos com cannabis para…
View Post

Vem aí a ExpoCannabis 2019 em Montevidéu

Para quem nunca foi, vale conferir como funciona a festa Todo final de ano acontece, em Montevidéu, a ExpoCannabis! A feira reúne uma diversa gama de produtos, iniciativas, debates, publicações…
View Post