Europa perde participação para África no setor da cannabis medicinal

Total
0
Shares

Alguns políticos europeus e legisladores relutam em abraçar o potencial econômico da cannabis medicinal e, como resultado, estão vendo oportunidades perdidas para mercados mais progressistas. A Europa pode perder mais terreno após as decisões do Lesoto e do Zimbábue de permitir o cultivo de cannabis medicinal para exportação em massa.

Países da África e do Caribe, como Zimbábue e Antígua, identificaram a oportunidade econômica de apoiar o crescimento da crescente indústria global de cannabis medicinal. Enquanto em algumas partes da Europa, alguns parlamentares e formuladores de políticas foram mais lentos em identificar os benefícios comerciais de apoiar uma nova indústria, governos do mundo em desenvolvimento estão adotando o potencial de exportação, a renda e a criação de empregos que a indústria traz.

Para oferecer o máximo benefício às economias nacionais, os governos estão formando parcerias com o setor privado para garantir que esses projetos sejam bem-sucedidos.

A Eco Equity, com sede em Londres, viu o potencial global e está no centro de apoiar governos em todo o mundo, transformando suas ambições políticas em realidade.

Não há dúvida de que a indústria de cannabis medicinal é um dos mercados emergentes mais rápidos do mundo, e o Reino Unido – junto com outras nações europeias – só agora está começando a se sentar e prestar atenção.

O Zimbábue é pioneiro no cultivo de cannabis medicinal com muitos elementos adequados para tratamentos, incluindo o canabidiol (óleo CBD). Diante da perspectiva de uma proibição internacional de uma de suas maiores exportações, a indústria do tabaco, o governo do Zimbábue tem sido proativo em encontrar uma alternativa na forma de cannabis e produtos relacionados.

O governo percebeu as oportunidades econômicas no mercado emergente, e a ministra da Informação, Monica Mutsvangwa, anunciou em agosto que mudanças de lei devem ser introduzidas para legalizar o cânhamo produzido em massa para exportação para o exterior.

Governos de qualquer nação estarão cientes dos desafios que envolvem a legalização da cannabis ou de qualquer de seus produtos derivados. A cannabis para uso medicinal é diferente do uso recreativo e das cepas mais fortes, mas o estigma permanece. Isso sem dúvida explica a relutância de algumas nações européias em apoiar a indústria, mas as oportunidades econômicas são consideráveis.

Os governos estão recorrendo a especialistas para ajudar a cultivar, fabricar e produzir cannabis e seus derivados para uso medicinal, e o relacionamento entre o governo do Zimbábue e a Eco Equity é o exemplo perfeito disso.

Os formuladores de políticas européias precisam acompanhar a opinião pública. A Eco Equity está vendo o apetite público por cannabis medicinal e as oportunidades de avançar na África e no Caribe, com ambições de se tornar o principal exportador do Canadá, EUA e Europa.

A Eco Equity nasceu de um objetivo comum de um conjunto de especialistas em negócios altamente qualificados e da generosidade de vários investidores; tornar-se uma força motriz na indústria da cannabis medicinal.

A empresa foi formada em 2018 e desde então se tornou a primeira empresa de cannabis a adquirir uma licença para o cultivo de cannabis, fabricação de produtos, fornecimento, armazenamento, importação e exportação para fins medicinais e/ou uso científico no Zimbábue.

Fonte: Health Europa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You May Also Like

Cannabis medicinal no Brasil: veja o que muda com as novas regras da Anvisa

A regulamentação de produtos à base de maconha no Brasil foi aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) nesta terça-feira (3). Com a decisão, produtos feitos com cannabis para…
View Post