Quem vai ganhar a corrida da “maconha”: Estados Unidos ou Canadá?

Total
0
Shares

Uma questão-chave surgiu à medida que os investidores injetavam bilhões de dólares no setor de “maconha”: serão as empresas americanas ou as canadenses que vão ganhar a corrida pela supremacia da cannabis?

As empresas no Canadá autorizadas a cultivar e vender “maconha” têm uma vantagem inicial, graças à legalização do uso para adultos pelo governo em outubro. Elas são bem financiadas e estão divulgando sua capacidade de exportar “maconha” medicinal para os países que estão flexibilizando suas restrições.

Mas a população do Canadá é menor do que a da Califórnia e o mercado de “maconha” legalizada dos EUA já é maior do que o do seu vizinho do norte e, segundo estimativas, poderia ser dez vezes maior.

De uma maneira geral, os EUA são o lugar onde marcas e fortunas crescem, e não há razão para pensar que será diferente com a cannabis, apesar da atual proibição federal.

“Nós vamos ter um grande setor de cannabis aqui, mas aqueles que, por qualquer razão, pensaram que o Canadá fosse dominar o mundo da cannabis, podem desistir, porque isso nunca teve uma base real”, disse Afzal Hasan, presidente da Origin House, com sede em Ottawa, no Canadá.

Veja aqui uma comparação entre o Canadá e os EUA para os investidores.

Canadá

Existem 133 produtores licenciados (LP, na sigla em inglês) no Canadá que receberam autorização do governo para cultivar e vender maconha nos mercados medicinal e recreativo.

Os maiores são Canopy Growth, Tilray, Aurora Cannabis e Aphria, cujo valor de mercado combinado é de quase US$ 30 bilhões. Uma grande vantagem tem sido o acesso fácil ao dinheiro, uma vez que os mercados de capital canadenses dominam o financiamento e as listagens de ações do setor.

O risco para os produtores de “maconha” canadenses é o de eles se tornarem apenas agricultores e produzirem uma commodity de baixa margem, enquanto seus primos americanos colhem os benefícios financeiros — incluindo margens de lucro maiores — de vender marcas reconhecidas.

As leis do Canadá proíbem a maior parte do marketing e do branding, um obstáculo para as empresas que tentam se conectar com os consumidores.

Hasan, da Origin, resume assim: “Nós não somos tão agressivos, competitivos e capitalistas quanto os do sul da fronteira.”

EUA

As empresas de maconha mais valiosas que operam nos EUA são conhecidas como “operadoras multiestaduais” — empresas que adquiriram licenças para cultivar, distribuir e vender nos estados dos EUA que legalizaram algum tipo da cannabis.

Entre elas estão a Acreage Holdings e a Curaleaf Holdings, que levantaram mais de US$ 700 milhões combinados nas últimas semanas por meio de colocações privadas quando abriram seus capitais no Canadá.

“Há um enorme mercado potencial que está avançando rapidamente para a legalização”, disse Andrew Kessner, analista da William O’Neil. No entanto, as ações dos produtores dos EUA são atualmente “muito menos líquidas”, o que pode ser um problema para investidores de grande porte.

Fonte: Exame

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You May Also Like

Recicladora de resíduos de maconha ganha concessão do Colorado para desenvolver produtos de cânhamo de reposição

Uma startup de resíduos de maconha foi selecionada para receber uma doação de US $ 250.000 do Colorado para encontrar usos do mercado de reposição para resíduos de cânhamo e maconha. 9Fiber,…
View Post