OMS adia recomendação para reescalonamento de canábis

Total
0
Shares

A Organização Mundial da Saúde (OMS) adiou as tão esperadas recomendações sobre o agendamento internacional da canábis, citando a necessidade de mais tempo para rever suas descobertas.

Esperava-se que as recomendações fossem divulgadas no dia 7 de dezembro, na 61ª sessão de reconvenções da Comissão de Narcóticos (CND), em Viena.

Recomendações sobre várias outras substâncias foram incluídas na apresentação da OMS, mas o porta-voz da organização disse que precisava de mais tempo para concluir o processo de avaliação de sua revisão da canábis.

Nenhuma nova data foi fornecida para o lançamento. Espera-se que os Estados membros votem sobre esta questão em março de 2019.

A sala estava lotada de representantes de governos de todo o mundo, representantes de ONGs e da imprensa. Muitos receberam o “não anúncio” com surpresa e decepção no que se esperava que fosse um dia histórico para a reforma da política internacional de cannabis.

Kenzi Riboulet-Zemouli, chefe de pesquisa da FAAAT, um think tank internacional focado na política internacional de reforma das políticas de drogas, expressou desapontamento com a falta de recomendações.

“Os países precisam de tempo para entender e endossar essas recomendações antes da votação final (maioria simples) para aceitá-las ou rejeitá-las, em março próximo”, disse Riboulet-Zemouli em um comunicado à imprensa em nome da FAAAT.

Bruno Javier Faraone Machado, representante permanente do Uruguai nas Nações Unidas (Viena), disse ao Marijuana Business Daily que o resultado é preocupante.

“O fato de que as recomendações não foram feitas hoje como esperado pode significar que, quando chegar a hora de decidir o que fazer com as recomendações em março, será mais fácil para alguns países argumentar que não tiveram tempo suficiente para rever as entradas para ter uma posição, possivelmente atrasando o processo mais uma vez ”, disse ele.

Embora desapontado, Jonathan Zaid, diretor de defesa e responsabilidade social corporativa da Aurora Cannabis, espera que o movimento leve a um resultado mais positivo.

“Embora inesperado, estamos esperançosos de que esse atraso proporcionará à Organização Mundial de Saúde o tempo para considerar as evidências e recomendar que a cannabis seja remarcada de acordo”, disse ele.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You May Also Like

Cannabis medicinal no Brasil: veja o que muda com as novas regras da Anvisa

A regulamentação de produtos à base de maconha no Brasil foi aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) nesta terça-feira (3). Com a decisão, produtos feitos com cannabis para…
View Post

Anvisa adia decisão sobre maconha medicinal

BRASÍLIA — A decisão da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) sobre a regulamentação da produção, plantio e transporte da maconha medicinal por parte de empresas farmacêuticas; e sobre o…
View Post

Com aval para cultivar cannabis, empresa de SP planeja iniciar produção em dois meses e vender para indústrias têxtil e alimentícia

A empresa de Holambra (SP) que obteve a autorização para cultivar e vender produtos à base de cannabis sem efeitos alucinógenos tem como meta comercializar o insumo de cânhamo com…
View Post