“Maconha” entra no currículo das faculdades no Canadá

Total
0
Shares
FILE – In this June 28, 2017, file photo, Alessandro Cesario, the director of cultivation, works with marijuana plants at the Desert Grown Farms cultivation facility in Las Vegas. A marijuana trade group says pot production, processing and sales could be a billion-dollar industry in Nevada by 2024. That’s a key finding in an economic analysis being released Friday, Oct. 26, 2018, by the Nevada Dispensary Association. It projects that pot-friendly policies in tourist-oriented Las Vegas and Reno could make Nevada one of the nation’s largest marijuana marketplaces. State officials have reported almost $530 million in pot sales since July 1, 2017. (AP Photo/John Locher, File)

A empresa Beleave Kannabis Corp. quer produzir mais do que apenas maconha. A companhia de Ontário pretende construir um império de cientistas, especialistas em regulamentações e vendas, além de pessoal de segurança, em meio a uma nascente indústria com grande demanda.

Mas, segundo Roger Ferreira, chefe da área científica da Beleave, faltam funcionários com experiência no Canadá, que se tornou o primeiro país industrializado a descriminalizar a maconha em outubro. Então, a Beleave, assim como outros produtores licenciados, está pressionando as universidades canadenses a ajudá-los.

Mais de uma dúzia de faculdades em todo o país estão acrescentando cursos em seus currículos destinados a treinar a próxima geração de produtores de maconha. Alguns dos cursos duram entre dois e quatro anos e outros oferecem certificados.

Apesar de o uso medicinal da maconha ser legal no Canadá desde 2001, a liberação do uso recreativo da erva levou a uma onda de contratação, pois os produtores têm pressa para aumentar a produção. As contratações triplicaram no último ano e representam 34 de cada 10 mil ofertas de emprego, segundo o Indeed Canada, um site de empregos.

Os educadores aproveitaram a ocasião e prometeram fornecer aos estudantes estufas e laboratórios. Em janeiro de 2020, a Universidade McGill, de Montreal, passará a oferecer uma graduação de produção de cannabis, mas apenas para estudantes com conhecimento em botânica ou bacharelado relacionado ao meio ambiente.

“O novo foco das faculdades em cannabis pode parecer ousado, mas o estudo do cultivo da maconha exige um amplo conhecimento científico”, disse Anja Geitmann, reitora da Faculdade McGill de Agricultura e Ciências do Meio Ambiente.

A Faculdade Durham, de Ontário, já lançou seu programa de especialização na indústria da cannabis, prometendo criar especialistas no setor da maconha, que está se expandindo rapidamente.

A Universidade Politécnica Kwantlen, de Vancouver, agora oferece um certificado de consultor comercial de cannabis, que prepara futuros vendedores especializados. A necessidade de habilidades no setor deve aumentar no próximo ano, já que os congressistas autorizaram a criação de produtos à base de maconha, como os brownies.

Fonte: Estadão

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You May Also Like

Cannabis medicinal no Brasil: veja o que muda com as novas regras da Anvisa

A regulamentação de produtos à base de maconha no Brasil foi aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) nesta terça-feira (3). Com a decisão, produtos feitos com cannabis para…
View Post

Anvisa adia decisão sobre maconha medicinal

BRASÍLIA — A decisão da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) sobre a regulamentação da produção, plantio e transporte da maconha medicinal por parte de empresas farmacêuticas; e sobre o…
View Post