A vida de um brasileiro que se mudou para o Uruguai para investir em maconha

Total
0
Shares

Em tempos em que o negócio maconha, praticado em ambiente legal, já faz seus primeiros milionários pelo mundo e países atualizam sua legislação sobre o tema – o Canadá acaba de colocar em vigor a lei que libera o uso recreativo da erva –, a máxima “em terra de cego, quem tem um olho é rei” nunca fez tanto sentido. A droga nem é legalizada no Brasil, mas já tem gente de olho no mercado em potencial no país e ganhando dinheiro. Mesmo que, por ora, só nos caminhos da comercialização de artigos relacionados a cannabis e na distribuição de informação sobre o assunto. Pessoas que vêm se especializando, investindo e ganhando vantagem em uma corrida que parece já ter começado antes mesmo da largada. Afinal, se a maconha for uma dia legalizada no Brasil, quem já estiver envolvido neste mercado, mesmo que minimamente, vai se dar bem.

À distância, logo ali do Uruguai (e não por acaso), o jovem empresário Jonas Rafael Rossatto, 30 anos recém-feitos, é um que observa e já se movimenta. Nascido em Pato Branco, no interior do Paraná, Jonas se mudou para o país vizinho em 2014, pouco tempo antes do início da venda da maconha, oficialmente liberada, nas farmácias. Um olho cá, onde segue com uma série de parceiros e empreendimentos relacionados à cannabis, e outro lá.

– Saí do Brasil principalmente pela questão política. Nunca vendi maconha e faço tudo dentro da lei, tenho uma equipe de cinco advogados que cuidam de meus negócios. Mas não posso me dar o luxo de estar no Brasil, onde a maconha é estigmatizada e ainda ilegal e eu corro o risco de ser perseguido politicamente. Se acontece qualquer coisa comigo aqui, todas as minhas empresas param. E eu queria inovar dentro do marco legal — diz Jonas.

No Uruguai, ele implementou uma empresa de turismo cannábico (a WeedTour) que oferece aos turistas (sobretudo brasileiros e argentinos, na América do Sul, e ingleses, na Europa) tours “legalize” e educativos sobre o tema e desenvolveu o site e aplicativo “Reservarcanabis.com”, para que a população possa reservar com antecedência a maconha das farmácias e evitar as filas — que já vinham se tornando um problema.

— Não são redes de farmácia que vendem a maconha no Uruguai, mas farmácias tradicionais, com mais de 40, 50 anos, onde vão os velhinhos do bairro, a vizinhança toda. Imagina ficar horas exposto em três, quatro quadras de fila, com cerca de 1.500 pessoas. No aplicativo, você escolhe a farmácia e ele já te diz quantos pacotes há disponíveis e quando você pode retirar. Ao fazer a reserva, você recebe um QR Code e, sem enfrentar fila e com discrição, retira o produto — explica Jonas, que, das 16 farmácias autorizadas a vender maconha no país, já fechou parceria com sete (quatro ainda em fase de testes, para iniciar o uso no verão, quando os cultivos estão em floração e, sem maconha em casa, o público intensifica a busca nas farmácias).

Sempre foi assim, precocemente, que Jonas atuou. O adolescente que aos 13 anos invadia e derrubava servidores na internet (em sua cidade, Jonas era conhecido como hacker), aos 14, era administrador de uma das maiores redes de bate-papo do Brasil (a Brasnet, no mIRC), e, aos 15, já lia Karl Marx, Friedrich Nietzsche e Aldous Huxley, começou cedo a vincular suas habilidades em programação, desenvolvimento e design (sua formação é Design Digital) à necessidade de mais e mais informações.

— Sempre fui autodidata em relação à informação. Antes de experimentar maconha, pesquisei muito sobre ela, para ver o que era, que alterações provocava, como era a proibição — lembra Jonas, que, por volta do ano de 2006, replicou no domínio Plantando.com o conteúdo armazenado de dois sites (um português e um brasileiro) sobre cultivo de cannabis, quando eles saíram do ar — a intenção era manter pública a informação, a ser devolvida para seus “donos” quando os sites voltassem.

A página de Jonas ficou no ar menos de três meses. Mas ali estava plantada a semente que brotaria dois anos depois, por pressão de antigos leitores do Plantando.com. O domínio voltou, como um fórum sobre cultivo alimentado por colaboradores. O primeiro de uma série de sites e aplicativos sobre o tema que Jonas produziria, em paralelo à sua especialização no assunto. Como quando se mudou, em 2009, para Buenos Aires e ficou por lá por quase quatro anos plantando maconha, após a abertura de jurisprudência em um caso em que a punição ao cultivo para uso pessoal foi declarada inconstitucional.

— Ao longo destes anos, troquei sementes com os argentinos, plantei cerca de 90 plantas, melhorei minhas técnicas de cultivo, virei o PHD da maconha. Foi quando fiz uma parceria com um grupo brasileiro e criei um portal de notícias sobre a maconha, o SmokeBud (smkbd.com), que desmente fake news sobre o tema desde 2011. A mídia era muito distópica em relação a este assunto. E mesmo os sites que davam notícias “positivas” replicavam conteúdos absurdos. Poxa, você está tentando falar sobre uma planta que é proibida e vai aumentar o preconceito? Para mim, informação é subsídio, e não dá para dar subsídio errado. No SmokeBud, temos uma rede de colaboradores, entre advogados, jornalistas, designers, pesquisadores, neurocientistas, médicos, ativistas e entusiastas da maconha que verificam todo o conteúdo antes de publicado — diz o empresário, que voltou ao Brasil em 2013 e, em 2014, ajudou a viabilizar e participou do primeiro debate sobre a maconha no Senado, a SUG 8/2014.

Agora, há nove sites de Jonas no ar: além do Weedtour.net, o Reservarcannabis.com, o Plantando.com (que acabou virando um market place com produtos de cultivo não só de maconha, mas de orgânicos em geral) e o SmokeBud, há o BudMaps, mapa que indica, em todo o mundo, uma rede de pessoas e empresas atuantes neste mercado, de lojas, bares e pontos de encontros de maconheiros (Jonas mapeou cerca de 73% de todo o mercado mundial de growshops e head shops) a advogados que defendem usuários e médicos que receitam maconha medicinal; o clube de assinaturas de sedas e outros acessórios Canabista.club; o “Submarino da maconha” Legalizeja.com.br, site de vendas com um catálogo de mais de 1.400 produtos relacionados à cannabis, de marcas pouco conhecidas a gigantes como Nike e Adidas; o portal Psicodelizando.com, com notícias de estudos e avanços científicos em relação a diversas drogas; e o site Aquelas.net, que publica ensaios sensuais de mulheres consumidoras de maconha e outros conteúdos relacionados à erva no universo feminino (como maconha e gravidez).

Um ensaio de retorno ao Brasil? Nem tão cedo. Por enquanto, negócios por aqui administrados só à distância, e já com a perspectiva de um cenário ruim.

— Há algumas propostas no Senado e outras tantas que poderão ser incluídas no Portal de Cidadania do Senado ao longo dos próximos anos, mas nenhum debate deverá acontecer. Conforme aumenta a repressão, a venda de tudo diminui, pois as pessoas se sentem mais coagidas. Mas a informação está aí e já não dá mais para colocar a maconha de volta no armário — conclui.

Fonte: O Globo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You May Also Like

Recicladora de resíduos de maconha ganha concessão do Colorado para desenvolver produtos de cânhamo de reposição

Uma startup de resíduos de maconha foi selecionada para receber uma doação de US $ 250.000 do Colorado para encontrar usos do mercado de reposição para resíduos de cânhamo e maconha. 9Fiber,…
View Post

Vem aí a ExpoCannabis 2019 em Montevidéu

Para quem nunca foi, vale conferir como funciona a festa Todo final de ano acontece, em Montevidéu, a ExpoCannabis! A feira reúne uma diversa gama de produtos, iniciativas, debates, publicações…
View Post