Gestora do filho de Lemann lança fundo de maconha no Brasil

Total
1
Shares

Agora será mais fácil investir em empresas que produzem e comercializam maconha e derivados da planta. É isso o que pretende a gestora de investimentos Vitreo com o lançamento do Fundo Canabidiol, o primeiro no Brasil voltado totalmente para o segmento. A gestora foi fundada pelo filho do empresário Jorge Paulo Lemann.

“A ideia é explorar as oportunidades da legalização do uso recreativo e medicinal da cannabis” afirma George Wachsmann, chefe de gestão da Vitreo. Segundo ele, a variedade de produtos derivados da planta é um dos pontos positivos do setor. “Dá para investir pelo lado farmacêutico, pelas bebidas, produção. É bem amplo”, diz.

O portfólio do Canabidiol é composto por ETFs e ações de companhias de cannabis listadas nos mercados americano e canadense. Nos últimos meses, os papéis dessas empresas sofreram desvalorização, o que serviu como estímulo para que o fundo fosse lançado só agora.

“Não consigo afirmar que as ações não vão cair mais. Mas o momento está bom. Se for para comprar alguma coisa, é sempre melhor na promoção”, comentou Wachsmann.

O gestor, no entanto, afirma que a ideia é conseguir retornos no longo prazo e espera faturar com o crescimento das vendas de cannabis no mercado internacional.

A indústria da maconha movimentou 12 bilhões de dólares em 2018. De acordo com relatório da New Frontier Data, a expectativa é que esse número salte para 30 bilhões até 2025 – crescimento de 150% em sete anos. Mas, estimativas mais otimistas, como as da Euromonitor, apontam que esse valor pode chegar a 166 bilhões de dólares.

Como o fundo só investe em ativos estrangeiros, ele só está disponível para investidores qualificados, ou seja, que possuam mais de 1 milhão de reais investidos ou que tenham certificado que comprove conhecimento sobre o mercado financeiro.

Mesmo com a norma que, segundo Wachsmann, dificulta a captação de recursos, ele disse estar satisfeito com o retorno. “Não estávamos esperando uma captação avassaladora. Lançamos hoje (29) e estou bem surpreso com o nível da procura”, afirmou.

Além do risco inerente ao mercado de ações, o fundo também está exposto ao fator câmbio, que pode ter impacto positivo ou negativo para os cotistas.

O Fundo Canabidiol cobra 1,5% ao ano de taxa de administração mais 20% sobre o que exceder o índice S&P 500. O aporte mínimo é de 5 mil reais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You May Also Like

Recicladora de resíduos de maconha ganha concessão do Colorado para desenvolver produtos de cânhamo de reposição

Uma startup de resíduos de maconha foi selecionada para receber uma doação de US $ 250.000 do Colorado para encontrar usos do mercado de reposição para resíduos de cânhamo e maconha. 9Fiber,…
View Post

Cannabis medicinal no Brasil: veja o que muda com as novas regras da Anvisa

A regulamentação de produtos à base de maconha no Brasil foi aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) nesta terça-feira (3). Com a decisão, produtos feitos com cannabis para…
View Post